Home / 4G LTE / Qual é o processo de transferência em LTE?

Qual é o processo de transferência em LTE?

No LTE (Evolução de Longo Prazo), a transferência é um processo crítico que permite que um Equipamento do Usuário (UE) faça a transição perfeita de uma célula para outra, mantendo uma sessão de comunicação contínua. As transferências são essenciais para fornecer conectividade ininterrupta e otimizar o uso de recursos na rede LTE. O processo de handover em LTE envolve diversas etapas e procedimentos para garantir uma transferência tranquila da conexão do UE. Vamos nos aprofundar nos detalhes do processo de transferência em LTE.

Visão geral da transferência:

Definição:

Handover, também conhecido como handoff, é o processo de transferência de uma sessão de comunicação contínua de uma célula para outra. No LTE, os handovers são projetados para garantir conectividade contínua para os UEs à medida que eles se movem na rede, otimizando a qualidade do sinal e o uso de recursos.

Tipos de transferências:

  1. Transferência intra-LTE: envolve a transferência entre células dentro da rede LTE.
  2. Transferência entre RAT (LTE para 3G, por exemplo): envolve a transferência entre LTE e outras tecnologias de acesso por rádio (RATs), como 3G.

Fases de transferência em LTE:

1. Acionamento:

  • Detecção de eventos: a transferência pode ser acionada por vários eventos, como diminuição na qualidade do sinal, interferência excessiva ou requisitos de balanceamento de carga.
  • Relatórios de medição: O UE mede periodicamente a qualidade das células vizinhas e envia relatórios de medição para o eNodeB servidor.

2. Avaliação e Decisão:

  • Avaliação de eventos: o eNodeB servidor avalia os relatórios de medição para determinar se uma transferência é necessária.
  • Decisão de transferência: Com base na avaliação, o eNodeB decide se inicia uma transferência e seleciona a célula de destino.

3. Preparação:

  • Alocação de recursos: O eNodeB servidor aloca recursos na célula de destino para o UE.
  • Transferência de contexto: informações relevantes sobre a sessão do UE são transferidas do eNodeB servidor para o eNodeB alvo.
  • Atualização de configuração: as configurações necessárias são atualizadas nos eNodeBs de serviço e de destino.

4. Execução:

  • Comando de transferência: O eNodeB servidor emite um comando de transferência para o UE, instruindo-o a mudar para a célula de destino.
  • Reconfiguração da conexão RRC: mensagens de controle de recursos de rádio (RRC) são trocadas entre o UE e ambos os eNodeBs para estabelecer a conexão com a célula alvo.

5. Conclusão:

  • Encaminhamento de dados: O UE começa a se comunicar com a célula alvo e o fluxo de dados é transferido perfeitamente.
  • Confirmação de transferência: o eNodeB de destino confirma a transferência bem-sucedida para o eNodeB servidor.

6. Otimização pós-transferência:

  • Procedimentos Adaptativos: A rede pode realizar procedimentos adaptativos, como ajustar parâmetros de transmissão ou reconfigurar a conexão, para otimizar o desempenho pós-transferência.

Tipos e cenários de transferência:

1. Transferência suave:

  • A transferência suave envolve a conexão simultânea do UE a múltiplas células durante o processo de transferência.
  • Ele foi projetado para aumentar a confiabilidade e reduzir o risco de quedas de chamadas.

2. Transferência difícil:

  • No hard handover, o UE se desconecta da célula servidora antes de se conectar à célula alvo.
  • É um método de transferência mais simples, mas pode resultar em uma breve interrupção na sessão de comunicação.

3. Transferências entre frequências e entre RATs:

  • As transferências entre células que operam em frequências diferentes (transferência entre frequências) ou entre LTE e outros RATs (transferência entre RATs) são cruciais para garantir a conectividade em diversos ambientes de rede.

Desafios e soluções:

1. Latência de transferência:

  • A latência de transferência pode afetar os serviços em tempo real. Técnicas como procedimentos de transferência rápida e otimização avançada de sinalização são empregadas para minimizar a latência.

2. Balanceamento de carga:

  • As transferências de balanceamento de carga visam distribuir o tráfego de maneira mais uniforme entre as células para otimizar o uso de recursos e evitar o congestionamento da rede.

3. Robustez da mobilidade:

  • As redes LTE empregam recursos como Mobility Robustness Optimization (MRO) para melhorar o desempenho de transferência em cenários com alta mobilidade UE.

Conclusão:

Concluindo, o processo de handover em LTE é uma sequência sofisticada de eventos que visa garantir conectividade ininterrupta para UEs que se movem dentro da rede. Acionamento, avaliação, preparação, execução, conclusão e otimização pós-transferência são fases-chave no processo de transferência. Quer se trate de handovers intra-LTE ou inter-RAT, a rede LTE emprega vários mecanismos para enfrentar desafios como latência de handover, balanceamento de carga e robustez de mobilidade. As transferências são fundamentais para a operação perfeita das redes LTE, proporcionando aos usuários conectividade confiável e contínua à medida que se movem dentro da área de cobertura.

Recent Updates