Home / 4G LTE / Qual é o procedimento CSFB em LTE?

Qual é o procedimento CSFB em LTE?

Nas redes Long-Term Evolution (LTE), o procedimento CSFB (Circuit-Switched Fallback) é empregado para garantir o suporte de chamadas de voz, que tradicionalmente operam no domínio de comutação de circuitos, dentro de uma rede LTE. CSFB é um mecanismo que facilita a transição perfeita do domínio de comutação de pacotes (PS) do LTE para uma rede legada de comutação de circuitos, normalmente 2G ou 3G, quando um usuário inicia ou recebe uma chamada de voz. Este procedimento é crucial para garantir a retrocompatibilidade com as gerações anteriores de redes móveis e garantir que os utilizadores ainda possam fazer e receber chamadas de voz mesmo em áreas de cobertura LTE. Vamos explorar detalhadamente o procedimento CSFB para entender como ele funciona e sua importância nas redes LTE.

1. Introdução ao CSFB:

a. Suporte por chamada de voz:

  • O CSFB foi projetado para abordar a coexistência da tecnologia de comutação de pacotes LTE com a necessidade de suportar chamadas de voz tradicionais comutadas por circuitos. O LTE se concentra principalmente na transmissão eficiente de dados, mas o CSFB permite que a rede retorne perfeitamente às redes comutadas por circuito quando as chamadas de voz são iniciadas.

2. Cenário e gatilho:

a. Iniciação de chamada de voz:

  • O procedimento CSFB é acionado quando um usuário inicia ou recebe uma chamada de voz em uma área de cobertura LTE. Como as redes LTE priorizam os serviços de dados, o CSFB garante que as chamadas de voz possam ser suportadas através da transição temporária para uma rede comutada por circuito.

b. Necessidade de substituto:

  • As chamadas de voz são tradicionalmente tratadas em redes comutadas por circuitos, e as redes LTE, sendo comutadas por pacotes, podem não ser otimizadas para comunicação de voz. O CSFB garante que os usuários ainda possam fazer e receber chamadas de voz utilizando a infraestrutura existente de comutação de circuitos.

3. Etapas do procedimento CSFB:

a. eNodeB inicia CSFB:

  • Quando o eNodeB LTE (estação base) detecta o início de uma chamada de voz, ele inicia o procedimento CSFB. O eNodeB determina a necessidade de fallback com base no tipo de chamada e na localização do usuário.

b. Redirecionamento para rede comutada por circuito:

  • O eNodeB envia uma mensagem de redirecionamento para o dispositivo do usuário, instruindo-o a recorrer a uma rede comutada por circuito específica. Normalmente é uma rede 2G ou 3G, dependendo dos recursos da infraestrutura legada na área.

c. Transferência de dispositivo para rede comutada por circuito:

  • Ao receber a mensagem de redirecionamento, o dispositivo do usuário realiza uma transferência para a rede comutada por circuito especificada. Isso envolve estabelecer um circuito dedicado para a chamada de voz na rede legada.

d. Configuração de chamada de voz em rede comutada por circuito:

  • Na rede comutada por circuito, a chamada de voz é configurada usando a tecnologia tradicional de comutação por circuito. A chamada prossegue como seria em redes 2G ou 3G, com o circuito dedicado garantindo uma conexão de voz contínua e estável.

e. Retornar ao LTE para serviços de dados:

  • Depois que a chamada de voz for concluída, o dispositivo do usuário retornará à rede LTE para serviços de dados. A transferência garante uma transição suave de volta para LTE sem interromper as sessões de dados.

4. Alternativa de voz sobre LTE (VoLTE):

a. Evolução além do CSFB:

  • Embora o CSFB suporte efetivamente chamadas de voz em LTE, a indústria evoluiu no sentido de adotar VoLTE (Voice over LTE) como uma alternativa mais avançada. VoLTE permite que chamadas de voz sejam transportadas pelo domínio de comutação de pacotes LTE, eliminando a necessidade de mecanismos de fallback como CSFB.

b. Vantagens do VoLTE:

  • VoLTE oferece vantagens como melhor qualidade de chamada, tempos de configuração de chamada mais rápidos e uso eficiente dos recursos da rede LTE. À medida que as redes LTE evoluem, o VoLTE se torna a solução preferida para comunicação de voz em redes comutadas por pacotes.

5. Desafios e considerações:

a. Latência e experiência do usuário:

  • Um dos desafios do CSFB é a possível latência introduzida durante o processo de transferência. Garantir interrupções mínimas e uma experiência positiva para o usuário requer a otimização do tempo de transferência.

b. Transição para VoLTE:

  • A transição gradual da indústria para o VoLTE apresenta considerações para o uso contínuo do CSFB. À medida que as redes LTE se tornam mais otimizadas para serviços de voz comutados por pacotes, a dependência de mecanismos de fallback pode diminuir.

6. Evolução para 5G:

a. VoNR (Voice over New Radio):

  • Com a evolução para 5G, o Voice over New Radio (VoNR) é apresentado como a evolução natural do VoLTE, fornecendo serviços de voz aprimorados no domínio de comutação de pacotes 5G. Isso diminui ainda mais a dependência de mecanismos alternativos como o CSFB.

Conclusão:

Concluindo, o procedimento CSFB em LTE é um mecanismo vital que garante o suporte contínuo de chamadas de voz nas redes LTE. Ao facilitar uma transição perfeita do domínio de comutação de pacotes LTE para redes legadas de comutação de circuitos, o CSFB atende à necessidade de compatibilidade com versões anteriores. No entanto, à medida que as redes LTE evoluem para o 5G, a indústria adota cada vez mais soluções mais avançadas como VoLTE e VoNR, oferecendo comunicação de voz melhorada através da infraestrutura eficiente de comutação de pacotes.

Recent Updates