Home / 4G LTE / Quais são os principais padrões LTE para as bandas não licenciadas?

Quais são os principais padrões LTE para as bandas não licenciadas?

LTE em bandas não licenciadas refere-se à implantação da tecnologia Long-Term Evolution (LTE) em bandas de frequência tradicionalmente não licenciadas, como a banda de 5 GHz. A utilização do espectro não licenciado visa melhorar a capacidade global da rede e satisfazer a crescente procura de dados sem fios. Vários padrões e tecnologias foram desenvolvidos para permitir a operação LTE em bandas não licenciadas. Aqui estão alguns dos principais padrões LTE associados a bandas não licenciadas:

1. LTE não licenciado (LTE-U):

  • Objetivo:
    • LTE-U é uma tecnologia que permite que o LTE opere na banda não licenciada de 5 GHz, que é comumente usada para Wi-Fi.
  • Principais recursos:
    • Agregação de operadora: LTE-U permite a agregação de espectro licenciado e não licenciado, combinando recursos para aumentar a capacidade da rede.
    • Mecanismos de coexistência: LTE-U incorpora mecanismos para coexistir com redes Wi-Fi na mesma banda de frequência, garantindo uma partilha justa do espectro.

2. Acesso assistido por licença (LAA):

  • Objetivo:
    • LAA é uma versão padronizada do LTE-U, introduzida pelo 3rd Generation Partnership Project (3GPP), para operar em espectro não licenciado.
  • Principais recursos:
    • Listen-Before-Talk (LBT): LAA usa protocolos LBT para garantir o compartilhamento justo do espectro com redes Wi-Fi, minimizando a interferência.
    • Agregação de operadora: semelhante ao LTE-U, o LAA oferece suporte à agregação de operadora para melhorar as taxas de dados.

3. Serviço de rádio de banda larga para cidadãos (CBRS):

  • Objetivo:
    • CBRS é uma banda de espectro compartilhada nos Estados Unidos, abrangendo a banda de 3,5 GHz. Embora não seja totalmente sem licença, oferece oportunidades para implantações LTE.
  • Principais recursos:
    • Acesso em três níveis: o CBRS inclui três níveis de acesso – acesso titular, acesso prioritário e acesso autorizado geral (GAA) – com o GAA permitindo uso semelhante ao não licenciado.
    • Sistema de Acesso ao Espectro (SAS): O SAS é usado para gerenciar o acesso e priorizar usuários na banda CBRS.

4. MulteFire:

  • Objetivo:
    • MulteFire é uma tecnologia que permite que o LTE opere em bandas de espectro não licenciadas ou compartilhadas sem a necessidade de uma âncora licenciada.
  • Principais recursos:
    • Operação autônoma: MulteFire opera de forma independente, sem depender de espectro licenciado, proporcionando flexibilidade para redes LTE privadas.
    • Coexistência: MulteFire foi projetado para coexistir com outras tecnologias em bandas compartilhadas, permitindo o compartilhamento justo do espectro.

5. Acesso assistido por licença aprimorada (eLAA):

  • Objetivo:
    • eLAA é uma evolução do LAA, introduzida para melhorar ainda mais a utilização do espectro não licenciado em redes LTE.
  • Principais recursos:
    • Aprimoramentos na agregação de operadoras: o eLAA permite a agregação de mais operadoras, tanto em bandas licenciadas quanto não licenciadas, para aumentar as taxas de dados.
    • Melhor desempenho: a eLAA visa fornecer melhor desempenho e eficiência na utilização de recursos de espectro não licenciados.

Considerações sobre LTE em bandas não licenciadas:

  • Coexistência: Garantir a coexistência justa com outras tecnologias em bandas não licenciadas, especialmente Wi-Fi, é um aspecto crucial da implantação de LTE.
  • Conformidade regulatória: as implantações de LTE em bandas não licenciadas devem aderir aos requisitos regulatórios locais para evitar interferências e cumprir as regras de compartilhamento de espectro.
  • Gerenciamento de espectro: tecnologias como Listen-Before-Talk (LBT) e Spectrum Access System (SAS) são empregadas para gerenciar o acesso e otimizar a utilização do espectro.

Conclusão:

Os padrões LTE para bandas não licenciadas, incluindo LTE-U, LAA, CBRS, MulteFire e eLAA, representam abordagens inovadoras para aproveitar recursos de frequência adicionais para melhorar a capacidade da rede. Estas normas visam proporcionar uma utilização eficiente e justa do espectro não licenciado, contribuindo para a evolução das tecnologias de comunicação sem fios.

Recent Updates