Home / GSM / Como a transferência auxiliada por localização

Como a transferência auxiliada por localização

O algoritmo de entrega auxiliada por localização (LAH) é na verdade um conjunto de algoritmos que visa resolver os problemas atuais do procedimento de entrega. O conjunto de algoritmos inclui algoritmo de handover atual, handover fuzzy, algoritmo de handover baseado no uso de antenas adaptativas, algoritmo de priorização de handover, etc. LAH é baseado na arquitetura CELLO, que é mostrada abaixo:

Esta figura mostra claramente que o algoritmo LAH explora informações tanto do Servidor de Localização (LS) quanto do Sistema de Informação Geográfica (MGIS) da rede móvel para tomar a decisão da estação base alvo mais apropriada para a transferência.

O Algoritmo LAH irá, como um todo, identificar áreas críticas, monitorar o movimento do usuário e tomar decisões inteligentes de transferência, a fim de evitar diferentes deficiências de rede relacionadas ao procedimento de transferência.

No que diz respeito à utilização de serviços de alta taxa de dados em terminais móveis, será essencial que a rede seja capaz de prever com bastante antecedência a célula alvo para transferência, a fim de reservar os recursos necessários. Este tipo de mecanismo será viabilizado pelo LAH e, consequentemente, o conceito é extremamente atrativo para o UMTS.

O desempenho da transferência é melhorado de duas maneiras. Primeiro, os dados MGIS podem ser usados ​​para o planejamento de células vizinhas. Ao analisar os dados do MGIS é possível detectar áreas onde a taxa de sucesso da transferência é baixa. Nestas áreas, a atribuição de células adjacentes pode não ser ideal.

Além disso, é possível utilizar a capacidade de localização do celular, ou seja, podemos utilizar o Location Server (LS), para auxiliar o próprio algoritmo de handover. Esta é uma clara vantagem sobre as soluções existentes, que se baseiam apenas nas observações do nível do sinal.

Por exemplo, a transferência poderá ser atrasada se o celular for detectado se movendo ao longo da região de fronteira de duas células. Desta forma, o “efeito pingue-pongue” pode ser evitado. Além disso, se houver vários vizinhos para escolher como célula alvo, as informações de localização poderão ajudar a fazer a escolha ideal. Outro exemplo é o problema especial de “células distantes”, que tem sido observado em áreas montanhosas por muitas operadoras móveis.

A unidade móvel pode estar conectada a uma célula guarda-chuva distante e as outras células próximas à unidade móvel não são alocadas como vizinhas da célula conectada. Nesse caso, as informações de localização poderiam ser usadas para determinar a célula-alvo correta para transferência, evitando as restrições das atribuições de vizinhos.

Como o handover é um dos principais parâmetros que geralmente influenciam a estabilidade de uma rede celular, a manutenção de informações precisas relacionadas à localização no MGIS pode levar a um ajuste mais eficaz dos parâmetros de handover e do próprio algoritmo. Como resultado, algumas suposições de trabalho sobre a precisão da localização disponível terão que ser feitas. Essas suposições serão estabelecidas com base em uma avaliação de técnicas de localização. Métodos padrão, como E-OTD, TOA e assistidos por GPS, serão considerados. Também serão investigadas técnicas ainda não padronizadas, como o método de correlação de banco de dados.

Os principais benefícios do uso dos dados MGIS descritos acima para procedimentos de transferência eficientes são diminuir o tráfego de sinalização, evitar quedas de chamadas, aumentar a qualidade da fala, resolver várias deficiências de planejamento e permitir transferências contínuas para usuários com alta taxa de dados em UMTS, fornecendo um mecanismo para alocação de recursos na célula de destino.

Recent Updates